"Abrindo..."

A era do “desinteresse”

 

Somos uma geração de café quente, mas esfriamos. Vivemos hoje uma busca incansável por relacionamentos perfeitos, abraços demorados e beijos longos. Mas por que nossa geração esfriou?

Às 06:00hrs da manhã de segunda-feira, o café está quente para alimentar mais uma semana cansativa e frenética de uma jornada de trabalho, enquanto isso nosso coração discorda de nosso cérebro sobre aquela possível paquera.

Queremos reagir mandar mensagens e ligar dizendo o quanto queremos, mas preferimos ignorar o fato de que outra pessoa poderia nos fazer feliz;

Ao invés disso, deixamos as mensagens não lidas de lado e seguimos em um mundo onde nossos sentimentos são avalanche. Estamos vivendo uma época em que cada vez mais romantizamos o passado em busca de cavalheirismo e atitudes significantes. Mas por outro lado nos perdemos em pequenas aventuras.

Esquentamos na busca e esfriamos nas atitudes. Por incrível que pareça estamos cada vez mais quentes na busca por alguém que nos faça entender o motivo de todos os outros relacionamentos terem falhado. Em contrapartida deixamos no vácuo aquele amor de longa data que poderia dar certo. O problema é que de ficada em ficada esse amor também esfria.

Estamos vivendo na era “desinteresse”. Onde deixar o outro no vácuo é estratégia pra saudade e demorar pra responder é motivo de interesse. Não! tais estratégias são falhas e nos esfriam cada vez mais.
Se quisermos grandes aventuras precisamos pular de cabeça, afinal como dizia Camões: Amor é fogo que arde sem se ver.

Por tanto se entregue, abra suas janelas e deixe que o sol de um novo amor possa iluminar e fazer companhia praquele café quente de segunda-feira. Se esquente e pratique a estratégia do “Oi, estou bem e você?”. Responda rápido não perca tempo achando que sua ausência fará sentido de interesse. Corra atrás de quem corre atrás de você, de quem lhe enche de mimos que você insiste em deixar no vácuo.

Surpreenda e se deixe surpreender.